6 motivos que fazem do Endurance Individual a competição preferida pela maioria dos kartistas

 

Por Lucas Prates

 

O kartismo amador é um esporte essencialmente individual. Que tal então uma competição de Endurance onde todas as habilidades do piloto são postas à prova e onde vence quem conciliar melhor técnica, desempenho, constância e concentração?

Pois um Endurance Individual pode ser uma boa opção, e a seguir você confere 6 motivos pelos quais este tipo de competição é o que melhor relaciona estas características.

 

 

Endurance requer habilidade

O Endurance requer real habilidade dos pilotos

 

 

1.     Endurance exige constância

Uma das características mais difíceis de um kartista amador atingir é a constância. Pilotar durante muito tempo sem cometer erros, registrando tempos de volta sem grandes variações, requer experiência e muita concentração. Então, se o piloto quer testar suas habilidades, nada melhor então que disputar um Endurance Individual para ver do que ele é capaz.

2.     Individual, mas coletivo

Em competições de kart amador, em sua maioria, andar junto com os adversários possibilita andar mais rápido. Os karts produzem vácuo, então quem vai atrás de outro kart consegue ser mais rápido nas retas.

Além disso, andar atrás de um piloto experiente faz com que o piloto siga a referência dele, ajudando a fazer uma pilotagem mais eficiente e até mesmo colaborando para novos aprendizados.

 

3.     Estratégia é essencial

Um Endurance com parada obrigatória para troca de kart permite que o piloto escolha o momento para fazer sua(s) parada(s). Ter boa leitura da corrida, tentar aproveitar as melhores situações e escolher a hora certa de parar podem render segundos preciosos na luta pela vitória.

 

4.     Não para, não para, não para!

Em Endurances que tem paradas obrigatórias com tempo mínimo, é essencial que o piloto se prepare antes da corrida. Estudar o traçado, estudar o tempo gasto em uma parada e saber qual é o tempo correto para sair dos boxes também faz muita diferença. Porém, é importante que o piloto considere uma margem em seus cálculos, normalmente de 2 segundos, para que não corra riscos de errar o tempo de parada e sofrer punição.

É também neste momento que o piloto dá aquela "secada" nos adversários, torcendo para que percam tempo na parada ou façam paradas inválidas. Afinal de contas, qual grande campeão nunca contou com um pouquinho de sorte?

 

5.     Bom resultado vem da própria habilidade

O resultado final de um Endurance é altamente dependente do próprio desempenho do piloto. De nada adianta o piloto andar no vácuo e seguir a estratégia, se os tempos de volta não são rápidos o suficiente para vencer.

Isso faz com que um Endurance Individual tenha refletido em seu resultado algo próximo da capacidade real dos pilotos participantes.

 

6.     Recuperar-se de um erro é possível

Ao contrário de corridas normais, onde um erro qualquer pode eliminar qualquer chance de um bom resultado, em um Endurance o piloto tem mais tempo para se recuperar. Se a vitória se torna muito mais difícil, as possibilidades de se obter um pódio são bastante reais.

Foi o que aconteceu com Ronaldo Torquato no Endurance Individual Gramane, realizado no último dia 30 no Kartódromo de Betim. O piloto cometeu um erro na primeira volta, o que lhe custou muitas posições. Mas imprimiu um ritmo forte de corrida, chegou a liderar por alguns momentos, e fechou a competição em segundo lugar. A reportagem completa pode ser vista no link a seguir.

 

A temporada do kartismo amador está chegando ao fim. Em 2018 os pilotos aguardarão ansiosos pela oportunidade de disputar mais um Endurance Individual, colocando, mais uma vez, suas habilidades à prova.

 

Redação: Lucas Prates
Parceiros: Kartódromo Internacional de Betim